Pattinson Daily: Accréds: Robert Pattinson deveria vir trabalhar na França
O "Pattinson Daily", é a sua maior fonte de notícias sobre o ator Robert Pattinson no Brasil.
Textual description of firstImageUrl

Accréds: Robert Pattinson deveria vir trabalhar na França

12 de setembro de 2015


Quando uma criança começa a jogar pedras contra os fiéis na saída da igreja, é porque a paz das nações está longe de ser resolvida e que uma nova guerra ameaça surgir.. Para sua estréia como diretor, o ator Brady Corbet examina as origens do mal e da Segunda Guerra Mundial em um menino louco. Se ele não tem sutileza, The Childhood of a Leader (A infância de um líder), às vezes treme com a sua música, o equivalente a uma voz sem palavras e  esgotante que iria avançar a história de repente, com chicotes.

Vai ser difícil manter The Childhood of a Leader (A infância de um líder) em qualquer coisa que não seja sua música. Ela segura o filme e dá a ele toda a sua agressividade, ressoa nele, a ponto de seus alguns clips parecem existir apenas para capacitá-lo para perceber todo o espaço, certifique-se que absorve bem em todos os cantos da decoração e os nossos ouvidos. Feito por um som alto criminoso de mistura, as composições de Scott Walker também marca sua audácia, formando uma poderosa sinfonia experiências de cruzamento de Jonny Greenwood para PT Anderson e sons industriais de dançarinos no escuro. Para seu primeiro filme como diretor, Brady Corbet, geralmente aclamado ator por interpretar o papel do serviço americano em produções europeias, Walker, portanto, fez uma espécie de assistente de palco, visivelmente contando a sua contribuição para preencher os buracos de uma narrativa que não falta. Foi mais ou menos culpa de Ryan Gosling ter alcançado um cinegrafista para filmar seu primeiro longa. Não é um ator de cinema e músico em primeiro lugar, mas com um fundo visual e cultural incomum, como pode ser visto na cena final, em que a câmera rola no meio da multidão como um plano maluco cinema soviético dos anos 20... (...)

 The Childhood of a Leader (A infância de um líder), por causa de seu título, não mente sobre o que está vendendo, que é errado. Estamos em algum lugar na França, no campo, no final da Primeira Guerra Mundial, com um grande trio burguês composto por um representante dos Estados Unidos  (Liam Cunningham) que vai para iniciar as negociações do que se tornará o Tratado de Versalhes, sua esposa alemã e multilingue (Bérénice Bejo), e seu garotinho, simplesmente diabólico. Ele é o filho, não é necessariamente o futuro líder, um líder, portanto, necessariamente mal. The Childhood of a Leader (A infância de um líder) de Brady Corbeton vê bem a grande metáfora sobre a humilhação que foi para a Alemanha no final da Grande Guerra, como esta criança quebra a medida que nos aproximamos da assinatura do Tratado de Versalhes e como ele promete aos pais um amanhã tão escuro quanto as que estão por vir para a Europa. Mas a menos que você gaste a sua escolaridade na aula de história, não será uma colher...

O interesse de A Infância de um Líder está em outro lugar, mas onde? Talvez em sua fatura improvável cosmopolita, se ele não permite que um confronto entre Robert Pattinson e Yolande Moreau - que teriam sido clientes felizes - consegue criar um microcosmo incomum e intrigante onde as imagens de ficção servem de trilhos para os cinejornais que cruzam como trens, onde os atores franceses, irlandeses e os americanos estão em uma mansão decrépita apenas o suficiente para perguntar se é um edifício de hoje ou ontem, se é o cenário para um filme de época quebrado ou uma criação contemporânea apenas tentando nos mostrar problemas sobre a sua autenticidade. Duas coisas são muito claras por fim: Bérénice Bejo deve parar de jogar papéis maternos ingleses como em 'Phantom of The Search', e Robert Pattinson deveria vir trabalhar na França; que é ainda melhor do que em outros lugares.

Fonte | Tradução: Pattinson Daily