Pattinson Daily: Cine Vue: The Chidhood of Leader é um pedaço escuro e enigmático
O "Pattinson Daily", é a sua maior fonte de notícias sobre o ator Robert Pattinson no Brasil.
Textual description of firstImageUrl

Cine Vue: The Chidhood of Leader é um pedaço escuro e enigmático

26 de setembro de 2015


No 72º Festival de Veneza, estréia o filme do ator Brady Corbet: A Infância de um Líder (2015) que combina um drama familiar austero com uma verve (personalidade, vivacidade) cinematográfica que estava infelizmente falta no Lido este ano. A abertura orquestral (cortesia do lendário Scott Walker) define a cena como a grande guerra com uma conclusão sangrenta, enlameada e cansada. É 1919 e o Presidente Wilson convoca líderes europeus em Paris, para elaborar um tratado de reparações e esculpir mais uma vez no mapa da Europa, em uma pequena casa no interior da França um menino de sete anos de idade, Prescott (Tom Sweet), joga pedras com um estilingue em paroquianos deixando uma igreja local.

É o primeiro dos três acessos de raiva que irá dividir o filme em capítulos. A criança foge para a escuridão, se machuca e é levada de volta para sua mãe (Bérénice Bejo). Eles voltam para a casa onde seu marido (estrela de Game of Thrones, Liam Cunningham), um diplomata dos EUA e assessor do Presidente, está bebendo com Charles (Robert Pattinson), um jornalista cuja esposa morreu recentemente. "Toda a Europa entrou em fazê-lo", escreveu Joseph Conrad de Kurtz, e do próprio mundo vai fazer em seu agregado familiar com as suas decorações mouriscas e ocupantes Euro-americanas. O norte-americano tem uma mulher que fala várias línguas fluentemente e é de origem alemã; há uma governanta ensinando francês a Prescott e uma dona de casa belga, Mona (Yolande Moreau), que tem um carinho amoroso por ela.

Com o marido viajando entre a casa e Paris, a mãe de Prescott disciplina o menino cada vez mais incontrolável. A criança é um pesadelo, perseguindo ao redor com seu cabelo dourado e ficando ressentido a todo instante em que ele é confundido com uma menina. Sua mãe tenta impressionar ele com o sacerdote, mas ele a envergonha, ela o força a pedir desculpas e invoca o castigo milenar de fazer com que ele se sente à mesa até que o jantar está acabado. No entanto, suas tentativas são em vão. Também não ajuda que ela está minada por Mona, não é suportada por seu marido e distraída com crescente melancolia.

Por incrementos, Prescott desloca o poder do agregado familiar para sua própria vantagem. A Professora de francês Ada (Stacy Martin) é a primeira fonte de despertar o desejo cedo, mas quando ela dá um tapa em sua mão e Prescott suspeita que um namorico com o pai, o menino toma em sua própria educação e efetivamente tem seu fogo contido. Sua mãe prefere perseguir suas devoções religiosas e é cada vez mais incapaz de lidar com o filho. Quando o pai finalmente intervem - no final da segunda birra - é de tal forma que só piora as coisas. Em todo o tempo a possibilidade de uma maior catástrofe europeia - a ameaça combinada de proto-fascismo e bolchevismo soviético - pendura no ar.(...)

A configuração de casa de campo e da sala de desenho poderiam fazer a isto uma parte do drama de prestígio, mas o diretor de fotografia Lol Crawley capta cada cena com um belo olho para o detalhe e enquadramento certo. Em um ponto a queda da luz brilha através da blusa de Ada deixando-a vulnerável à atenção precoce de Prescott , e quando ela é disparada, brilha ao redor dela como se ela fosse o anjo que a mãe - para toda a sua observância religiosa - perdeu sentada em sua tabela. A paisagem invernal está maravilhosamente capturada mas não há descanso no sublime aqui. Uma vez livre da propriedade e instigada na coda por pontuação desenfreado de Walker, a câmera também pode se tornar uma coisa descontroladamente frenética. A Infância de um Líder é um pedaço escuro, enigmático de trabalho que paira entre a grandeza visionária e trivialidade doméstica mesquinha. O instinto inaugural de Corbet por trás da câmera marca uma estréia impressionante e o melhor filme em Veneza até agora.

Fonte | Tradução: Pattinson Daily