Pattinson Daily: Cinema: The Childhood of a Leader é um filme louvável
O "Pattinson Daily", é a sua maior fonte de notícias sobre o ator Robert Pattinson no Brasil.
Textual description of firstImageUrl

Cinema: The Childhood of a Leader é um filme louvável

24 de setembro de 2015


É uma estreia impressionante em seu próprio caminho, do jovem ator americano Brady Corbet, por trás da câmera. Conhecido em parte pelos filmes independentes, na TV e de alta classe, e, em seguida, mudou-se para a lista de alguns dos principais diretores europeus, para sua estréia como diretor Corbet escolheu sonhar alto. E A Infância de um Líder, co-produção entre a França e a Grã-Bretanha, apresentada na seção Orizontti na 72ª edição do Festival de Cinema de Veneza, é um filme já louvável somente por suas ambições. Não tanto para os impressionantes modelos literários citados por Corbet (como suas referências), uma vez que a decisão de tratar de questões de grande complexidade - um estudo sobre a Europa totalitária do século XX - com uma abordagem diametralmente oposta às convenções de Hollywood, mas sim como modelo o rigor dos filmes europeus de arte nórdicas e Central: do ponto de vista da construção do espaço fílmico (a contribuição exemplar do quadro sombrio de Lol Crawley), tanto em termos de narrativa, para um filme que por trás da frieza aparente das primeiras sequências sabe como criar uma tensão progressiva e fria.

O núcleo do filme consiste na figura de Prescott, a criança impenetrável, através das três "explosões" que são idealmente os três atos da história, deixou escapar um inquietante lado escuro: um lado negro obrigado a resultar em um conflito aberto para com seus pais, símbolos de autoridade patriarcal, religiosas (Cristianismo fervoroso da mãe) e da política. Nesta perspectiva, o principal elemento de comparação para A Infância de um Líder poderia ser The White Ribbon, obra-prima de 2009 de Michael Haneke: tanto para a capacidade de compor uma atmosfera certamente deixado pelo rigor absoluto da encenação (planos e a câmera quase sempre imóvel), mas para a vontade de investigar e re-ler a história do século XX - e seus horrores - usando os filtros de uma análise tanto do cultural e psicológico. Neste sentido, Brady Corbet bravamente opta por não oferecer uma interpretação inequívoca do comportamento de seu jovem protagonista, mas acrescenta ao filme de uma pluralidade de idéias e subtextos: dicas de sexualidade freudiana de Prescott e a presença estranha da figura da mãe são, portanto, alusões mistas para o contexto histórico-político e filosófico, veiculados pela figura do pai de Prescott e Charles (Robert Pattinson), que irá revelar-se uma figura-chave no epílogo do filme, após o surto repentino da violência no final do Ato III.

Fonte | Tradução: Pattinson Daily