Pattinson Daily: Entrevista de Robert, Dane e Corbijn para The Sydney Morning Herald
O "Pattinson Daily", é a sua maior fonte de notícias sobre o ator Robert Pattinson no Brasil.
Textual description of firstImageUrl

Entrevista de Robert, Dane e Corbijn para The Sydney Morning Herald

4 de setembro de 2015

imagebam.com

Quando o ator James Dean morreu em um acidente de carro em 1955, o segundo e definindo filme em sua curta carreira - Rebel Without a Cause de Nicholas Ray - tinha acabado de sair. Dean tinha 24 anos. Em East of Eden tinha estreado no início do ano; Giant estava em produção. Em retrospecto, três filmes não parece muito um motivo para o que Dean estava prestes a se tornar: a personificação do descontentamento boêmio de uma geração com o mundo pós-guerra dos pais. O fato era, no entanto, eles não viam ninguém mais "legal" do que Jimmy Dean. E eles ainda não conhecem.

Você pode ver que na sessão de fotografias tiradas de Dean para a revista Life por Dennis Stock, ambicioso jovem fotógrafo. Stock que tirou a fotografia que estaria em milhões de paredes do quarto de adolescentes nas décadas por vir, uma fotografia conhecida até mesmo por pessoas que não sabem quem Dean era: Dean com sua gola levantada contra o vento invernal na Times Square.

É aquela fotografia que forma uma espécie de pano de fundo para o novo filme de Anton Corbijn Life, que traça a breve relação entre Stock e seu tema igualmente ambicioso. Qualquer ator iria mostrar certo receio antes de concordar em interpretar James Dean, não apenas por causa de seu status sagrado, mas porque seria tão fácil de escorregar no papel.

Dane DeHaan, que é mais conhecido como Green Goblin nos últimos filmes de Spider-Man, não parava de dizer não. "Eu realmente não acho que eu poderia fazê-lo. Então eu tive uma reunião com Ian Canning, o produtor, e ele me explicou que não era simplesmente um filme sobre James Dean, que era um filme sobre como uma pessoa normal poderia ser transformada em um ídolo. Que eu acho que é um tema muito interessante". DeHaan sentiu alguma semelhança com Dean, a quem ele descreve como "realmente um cabeça dura, artista intransigente, muito desconfiado do mundo ao seu redor."

Desde o início, como mostra Corbijn, Dean estava em desacordo com os chefes de estúdio; Ben Kingsley faz uma atuação espetacular como o magnata Jack Warner, dizendo a Dean exatamente o quanto de um rebelde quer que ele seja. "Eu sei como é isso, embora eu tenha uma opinião diferente sobre isso", diz DeHaan. "Eu não deixo isso me influenciar tanto como ele faz. Quando eu fiz esse filme, foi antes da turnê de imprensa para Homem-Aranha. Havia nesse sentido iminente do que ia acontecer, da mesma forma como foi antes de East of Eden sair."

Stock era habilidoso, mas também um personagem complexo, que depois de ter largado sua esposa e um filho a quem ele não tinha nenhum interesse, estava desesperado para ser reconhecido como um artista fotográfico. Robert Pattinson, o ex-galã de Crepúsculo que interpreta Stock, assistiu alguns entrevista de Stock que foram gravadas. "Ele ainda tinha todos esses ressentimentos, todas essas coisas que ele inveja em James Dean, sobre todos esses chips no seu ombro, todos ainda muito evidentes", diz Pattinson. "Aos seus olhos, alguém como James Dean está apenas vivendo livremente e fazendo o que ele quer, ele é o artista que ele quer ser. É uma loucura, mas eu me identifico com ele. Ele é uma espécie de figura trágica."

Você pode pensar que, Pattinson se identificaria com qualquer um que seria o galã, que é retratado no roteiro do australiano Luke Davies como 'estando muito ciente de que sua imagem está sendo manipulada.' Pattinson disse que: interpretar Dean não lhe interessava. "Eu não sei se eu já tive alguma coisa como James Dean. Por um lado as pessoas estavam realmente olhando para James Dean como um líder. Os jovens, mulheres e homens, diziam: Conte-nos como viver. Parece que sabe os segredos! Bem, eu não acho que alguém já olhou para mim dessa maneira."

E, por outro lado, Dean teve uma visão de seu futuro, que ele sabia que estava sendo deliberadamente frustrado. "Neste filme, ele já está desiludido e decepcionado", diz Pattinson. "Considerando que, quando tudo isso estava acontecendo comigo, era emocionante e divertido, porque eu não tinha ideia do que estava acontecendo.. Eu senti que havia uma porta aberta na minha frente e que poderia apenas continuar empurrando a porta com a ideia do que estava do outro lado, eu estava apenas curioso. Eu não percebi até anos mais tarde, que você não detê-lo. A porta se fechou".

Corbijn tem agora 60 anos, tão velho quanto as fotos de Stock; a sua vida coincidiu com Dean por apenas cinco meses. Ele foi (e é) um fotógrafo, extremamente influente para músicos de rock antes de entrar no mundo do cinema com seu filme biográfico marcante de Ian Curtis do Joy Division, Control em 2007. Para ele, a imagem de Jimmy Dean na Times Square é "como jazz". "É um símbolo da mudança na sociedade, o surgimento do rock'n'roll e uma geração que queria ter seu próprio tempo, que queria uma vida que não era vida de seus pais." "Sempre foi", diz ele, sobre "mais do que apenas James Dean".

Life estará nos cinemas dia 10 de setembro (Austrália)

Fonte | Via | Tradução: Pattinson Daily