Pattinson Daily: Entrevista de Robert para The Irish Times
O "Pattinson Daily", é a sua maior fonte de notícias sobre o ator Robert Pattinson no Brasil.
Textual description of firstImageUrl

Entrevista de Robert para The Irish Times

26 de setembro de 2015

image host

Robert Pattinson: "Eu sinto que eu tive um pequeno acidente vascular cerebral e tudo o que posso ver é a reality de Tv"

Mais conhecido como o adolescente morto-vivo Edward na série Crepúsculo, Robert Pattinson está lentamente, mas seguramente, reinventando-se de queridinho para galã.

Stormont pode estar em crise e as taxas de desemprego regionais não fazem a leitura feliz, mas, pelo menos, a Irlanda do Norte pode gabar-se - ainda que temporariamente - por Robert Pattinson estar lá.

No mês passado, a ex-estrela de Crepúsculo e Harry Potter encantou dois recém-casados de CO Down, quando ele concordou em participar da sua festa casamento. Ele também esteve Cypress Avenue para marcar presença no aniversário de 70 anos de Van Morrison, e foi considerado o mais excelente do esporte quando se trata de autógrafos e caçadores de selfie de Belfast.

Mesmo por conta própria de Pattinson, o sol brilha um pouco mais atentamente quando ele enfeita o nordeste: "Toda vez que eu estive aqui estava ensolarado", maravilha-se o jovem ator barbudo. "Eles me dizem que chove. Mas eu não vi isso."

Pattinson tem fugido de Ulster com um propósito. Seguindo os passos de Game of Thrones e do futuro " ad’s Army reboot", The Lost City of Z de James Grey é a última grande produção gravada em vários lugares da Irlanda do Norte, incluindo Methodist College, Strangford Lough e Craigavon House. Não que Pattinson tem passado muito tempo nesses locais imponentes. "Eu tenho estado principalmente no barco que está caindo aos pedaços", ele ri. The Lost City of Z fala sobre as façanhas do explorador britânico Percy Fawcett, que, em 1925, desapareceu na  Amazônia, enquanto procurava uma antiga cidade perdida. Nos anos seguintes, mais de 100 cientistas e exploradores desapareceram durante a tentativa de encontrar evidências do grupo de Fawcett.

Pattinson da Arábia

Curiosamente, é o segundo filme de Pattinson este ano que conta com um explorador britânico de 1920: ele interpretou recentemente Thomas Lawrence (sim, Lawrence da Arábia) ao lado de Nicole Kidman, na cinebiografia sobre Gertrude Bell de Werner Herzog, Queen of the desert.
.
Ele está sozinho, tentando reviver um sub gênero?
"Você sabe que eu nem sequer pensei nisso até ontem", diz Pattinson. "Eu não tenho nenhuma ideia de como isso aconteceu. É certo que um é no deserto e com Z nós estamos indo para a selva. Mas são coisas semelhantes. Eu assinei contrato para ambos os filmes anos atrás, e é estranho que eles vieram juntos ao mesmo tempo."

Tanto Pattinson quanto a equipe principal em breve partirão para Colômbia. Será que ele tomou todas as vacinas relevantes?
Ha. Você está lendo meus e-mails? Eu estava conversando com um outro ator ontem e ele estava me contando sobre todas essas diferentes vacinas. Eu não tomei nenhuma ainda. Devo ficar preocupado com essas coisas? Porque eu estava pensando que talvez eu deveria apenas deixar pra lá.

Ele acabou a pouco as gravações de Werner Herzog, e está planejando ir completamente Klaus Kinski para a selva.

"Eles tinham todas essas ideias malucas envolvendo pequenos crocodilos no rio. Mas eu acho que meu personagem vai ser um bichano. Estou um pouco preocupado com os macacos. Há centenas de milhares de macacos em todos os lugares na Colômbia. Há mais deles do que as aves. Você já viu o vídeo do macaco salvando a vida do outro macaco? Eles podem assumir o controle."

Nós não estamos muito surpreso que a carreira de Pattinson trouxe-o a lugares distantes, infestado de macacos, pontos mitológicos. Tendo começado grande - como um das "100 Maiores Celebridades" na Forbes - como Cedric Diggory em Harry Potter e o Cálice de Fogo e Edward Cullen na sequência de Crepúsculo, Pattinson (29) moveu-se furtivamente nos círculos de autores. Bem como Herzog, ele trabalhou com David Michôd (The Rover) e duas vezes com David Cronenberg (Cosmopolis e Maps to the Stars).

É o ator que foi listado entre as 100 pessoas mais influentes no mundo pela revista People, com 24 anos. Propositalmente vem evitando grandes projetos?

Papéis homogeneizados

"Apenas no sentido de que, com todas as coisas principais maciças que me deparei, todos os personagens se tornam um pouco homogeneizados", diz Pattinson, em tom de brincadeira - mas realmente não - se descreve como um "excêntrico". "É como se você quisesse interpretar um clichê ou fazer uma imitação de um outro ator. Se um grande filme veio juntamente com um personagem esquisito, então eu não não estaria assustado."

Ele está apostando luminares arthouse, ou estão batendo na sua porta?

"Um pouco dos dois. James Gray tem sido um dos meus diretores favoritos desde sempre. Quando eu vi Two Lovers, eu pensei que era um dos melhores filmes que eu tinha visto. Em um nível muito profundo. Eu tentei fazer três projetos com ele. Nenhum dos quais aconteceu. Então, Z é um sonho tornado realidade. Herzog foi mais aleatório. Mas se você tiver oportunidade, trabalhe com ele."

"Eu tenho tentado trabalhar com Claire Denis há um tempo, o que deverá acontecer, o que é insano. Depois, há os irmãos Safdie. Eles são o futuro do cinema, eu acho."

Falou como um devoto apropriado.

"Hmm. Quando eu era jovem, eu era fã de cinema real. Quando eu morava em Londres, eu ia assistir uma enorme quantidade de filmes. Eu parecia ter mais paciência com filmes da Nova Onda alemã e assim por diante. Agora eu não sei o que aconteceu. Eu sinto que eu tive um pequeno acidente vascular cerebral e tudo o que posso ver é reality da Tv. Eu estou me agarrando nas poucas células cerebrais remanescentes."

Somando-se ao impressionante registro de autores de Pattinson, Life do diretor Anton Corbjin lança o ator como o fotógrafo Dennis Stock, que fotografou a cena do icônica "Boulevard of Broken Dreams" com James Dean em 1955. O filme narra a breve amizade entre Dean (Dane DeHaan) e o fotógrafo da revista Life. Stock, apesar de ser interpretado pelo muito agradável Pattinson, está longe de ser uma venda fácil como herói. Um pai fracassado e artista, ele nunca parece estar confortável em sua própria pele. A estrela nascida em Londres raramente tem parecido, bem, escorregadio.

"Ele tem essa coisa", assente Pattinson. "Eu não sei se é uma coisa típica para atores. Talvez outros atores iriam afastá-lo. Mas está sempre na vanguarda da minha mente: pensar que você é uma farsa e tentar reencontrar a confiança para começar a executar."

"Há paralelos entre mim como ator e ele como um fotógrafo. Algo dentro de você diz para você fazer quando todos os outros aspectos de sua mente estão dizendo 'você é um falso, você é uma fraude.'"

"Dennis Stock tem uma espécie de desespero e auto aversão. Ele é uma daquelas pessoas que é tão incapaz de amar a si mesmo que ele não pode amar ninguém."

A tag RPatz

Charmoso e sempre tão auto depreciativo, é difícil conciliar Robert Pattinson com a super mega estrela mundial que nós conhecemos pelos jornais como RPatz. Confesso que a primeira vez que me deparei com que abreviatura particular, eu analisei e pensei: isso nunca vai pegar.

"Eles chamam todo mundo de alguma coisa, eu acho", diz ele, alegremente. "Eu gostaria de saber qual foi a razão para isso. Eu sempre gosto de pensar que isto é desprezo que aparece como admiração."

Assim, RPatz está noivo da cantora FKA Twigs e que pode ou não planejar ter um casamento em um pub com batatas fritas, uma escopeta, affair em Vegas, ou um castelo grande caindo. Sua mãe Clare pode ou não aprovar. E assim por diante.

"Minha mãe tem Alertas do Google", diz ele. "É a compulsão mais abominável. A coisa mais embaraçosa é estar procurando você mesmo. Nada pode afetá-lo em tudo, se você não procura. As pessoas que não prestam atenção nas coisas que pensam que estão tentando se conectar com o mundo real. Mas os comentários na internet não são o mundo real. Agradecidamente."

Longe da loucura de ser RPatz, Robert Pattinson não pode suportar se assistir na tela.
"Eu realmente não gosto de assistir o filme quando ele está pronto. Às vezes eu gosto de assistir com o público. Mas se você não gostar dele, é um sentimento realmente de merda. Gosto de assistir a reprodução em alguns filmes. Porque você ainda pode ser capaz de corrigir alguma coisa. Mas é complicado. Porque não é a sua chamada."

Será que ele aprecia o processo de outra maneira?

"Bem, é estranho. Porque eu realmente não me propôs a ser um ator. Na escola o meu professor de teatro me disse, tudo aquilo que eu fiz, para não atuar. Então, quando eu comecei a atuar eu sempre me senti como o azarão. Eu senti que eu tenho que provar alguma coisa. Quinze anos depois, eu ainda tenho essa memória profunda. Eu, provavelmente, sempre terei." Ele ri de novo: "Oh, bem. O que estou dizendo? Eu acho que o dano cerebral está retrocedendo de novo."