Pattinson Daily: Entrevista de Robert para Salzburger Nachrichten
O "Pattinson Daily", é a sua maior fonte de notícias sobre o ator Robert Pattinson no Brasil.
Textual description of firstImageUrl

Entrevista de Robert para Salzburger Nachrichten

29 de setembro de 2015

Robert Pattinson. Bild: SN/AP

"Todo mundo tem uma fase James Dean." 
(Nota: Esta entrevista é semelhante a entrevista do 'DIE PRESSE', mas há alguns detalhes extras.)

Você vê paralelos entre sua vida e a vida de James Dean?
Um pouco, mas curiosamente eu não estava realmente interessado na vida de James Dean, talvez porque eu experimentei algo similar. Eu não encontrei nada de interessante na minha própria vida. Eu estava mais interessado em Dennis Stock desde o início.

Dennis Stock sacrificou a relação com sua família para a sua carreira. Conhece essa sensação?
Na verdade, não. Também não acho que Dennis tenha realmente sacrificado alguma coisa. Ele fez isso por si mesmo. Ele nunca pensou em seu filho, só quando ele o usou como uma desculpa. Isso é o que me atraiu para o papel: está aqui uma pessoa que não ama seu filho e aguarda a sua vida fazer sentido, mas isso nunca acontece. Ele é uma figura trágica. Em entrevistas posteriores, você pode dizer que ele não aprendeu nada. Em 80, ele ainda reclamou sobre o fato de que todo mundo sabe dele só por causa das fotos de James Dean. Eles são o único trabalho onde ele realmente já ganhou o dinheiro. Eu não quero falar mal dele, mas eu conheci o seu filho Rodney e ele diz que ele era um mau pai, mas o que você pode fazer quando você não ama o seu filho? Todo mundo te odeia por isso, mas você ainda tem que viver sua vida.

James Dean foi uma influência importante para você?
Eu acho que todo ator jovem tem um fase James Dean. Se você pensar sobre isso: os seus filmes foram feitos em 1955 e 1956, e ele ainda tem uma influência tão grande. Seus gestos são um pouco expressivos, porque ele estava apenas começando. Mas não existe uma má imagem dele e não é apenas porque ele tinha um bom rosto, mas porque ele tinha essa intuição sobre como o seu rosto é visto pela câmera.

Como você lida em ser o objeto de fotógrafos?
É difícil. Quando o primeiro filme de Crepúsculo saiu eu queria ser visto de uma certa maneira. Eu pensei que eu poderia controlar as imagens que seriam distribuídas. Mas isso era impossível e eu fiquei com medo de perder o controle. No início da minha carreira eu tive algumas amizades com jornalistas, nós saímos juntos, mas eu não posso nais fazer algo assim. Agora todo mundo tenta fazer com que uma informação exclusiva sobre mim, seja a pior possível.

Sua vida parecia uma novela nos últimos anos. Como você se sente sobre as notícias sobre a sua vida?
Eu nunca falei sobre a minha vida privada, mas não fez diferença e as pessoas apenas invetam coisas. Eu tomei a decisão de não tirar mais fotos porque pensei que sem novas imagens as pessoas não poderiam escrever histórias, mas eles simplesmente usam fotos antigas. Está melhor agora, eu decidi não esconder mais e nem usar um chapéu e um lenço. Isso só leva a loucura.

Então, o pior são os paparazzis?
Não só eles. Eu costumava ficar com medo quando as pessoas me encaravam. Faz você se sentir que está sendo julgado, mas eu aprendi uma coisa: Nunca pesquise sobre si mesmo. Isso pode se tornar uma obsessão. Basta imaginar que há pessoas falando sobre você na sala ao lado, é claro que você vai querer ouvir! É pior na internet e, especialmente, quando você vive solitário em um hotel, como os atores fazem, você acaba sentado na frente do computador para se lembrar de quem você é.

Como você consegue não perder sua cabeça estando sozinho em um quarto de hotel?
Quem diz que isso já não aconteceu?