Pattinson Daily: Eye for Film: The Childhood of a Leader é divisionista e impressionista
O "Pattinson Daily", é a sua maior fonte de notícias sobre o ator Robert Pattinson no Brasil.
Textual description of firstImageUrl

Eye for Film: The Childhood of a Leader é divisionista e impressionista

8 de setembro de 2015


Ninguém poderia dizer a cerca da estréia de Brady Corbet, The Childhood Of A Leader, destaque na seção Orrizzonti, que já tem sido injustamente criticado como "embaraçosamente demasiado ambicioso" - como se um americano de 27 anos de idade devesse começar com um pouco de boa  comédia de maconheiro e ficar longe de problemas adultos. É verdade que o filme é divisionista, mas apenas em um bom caminho; qualquer pessoa com uma alta tolerância para cinema impressionista lento vai encontrar muita coisa para se prender. Embora Corbet cite regularmente cinema do Leste Europeu nos seus interesses, sua estréia tem muito mais de toque tradicional da Europa; na verdade, pode parecer impossível elogios, mas há ecos dos mestres (Luchino Visconti) em sua excelente cinematografia.

Ambientado em 1919, a história em si é um enigma em três fragmentos, três capítulos que se referem ao ataque de raiva que a criança principal (Tom Sweet) terá ao longo de quase duas horas. Nós nunca ouvimos seu nome, mas nós sentimos a sua presença; o garoto, como seu pai, um americano referido conselheiro político, começou a mudar. Isso começa com um pouco de arremesso de pedras e se transforma em uma guerra durante um jantar chique. Estranhamente, no entanto, nenhuma psicologia  mais ampla é sempre explorada, e Corbet permanece com os pequenos detalhes da vida do menino, que é hermeticamente selado longe do rescaldo do The Great War, algo que seu pai está profundamente imerso. O menino não se importa com reparações, insistindo em aprender a ler fábulas de Esopo e melhorar rapidamente o francês. Parece uma peça em câmara lenta, e algumas cenas são, mas um dispositivo de enquadramento brilhante que envolve uma partitura orquestral impressionante, de todas as pessoas, Scott Walker dá ao filme uma urgência estressante. O final é um ponto a se falar com certeza, que inferno, mas há ideias e provocações que garantem que o filme de Corbet vive uma vida longa se não especialmente comercial.