Pattinson Daily: [Atualizado] Scan + Transcrição: Entrevista de Robert para a revista Les Inrockuptibles (França)
O "Pattinson Daily", é a sua maior fonte de notícias sobre o ator Robert Pattinson no Brasil.
Textual description of firstImageUrl

[Atualizado] Scan + Transcrição: Entrevista de Robert para a revista Les Inrockuptibles (França)

9 de setembro de 2015

O fim de Crepúsculo, seus desejos de independência em Hollywood, as suas inclinações e seus desejos direcionados ao cinema francês depois que o projeto com Olivier Assayas foi cancelado e antes de seu próximo filme com Claire Denis: Robert Pattinson faz a avaliação da sua carreira.

Maio de 2012: Robert Pattinson sobe pela primeira vez nas escadas vermelhas do Festival de Cannes, onde acompanhou a apresentação, na competição, do filme Cosmópolis de David Cronenberg. Um passo decisivo na carreira da estrela, que estava sendo levado para prestigiados filmes Indie e terminou sua imagem de ídolo adolescentes, marcado pela franquia não amada,Crepúsculo.

Três anos mais tarde, a transformação parece quase completa: a histeria da mídia, que ele foi cercado,  parece ter se acalmado um pouco, ele passou de garoto-propaganda para ícone moderno, ele segue  sua radical e aguçada filmografia. Com David Cronenberg em Maps to the Stars, no thriller australiano The Rover de David Michôd, ou até mesmo em um pequeno papel em Queen of the desert de Werner Herzog, ele definitivamente deixou as produções tradicionais e afirmou-se como um ator do século 21, uma nova forma de realização de filmes de Indie com poderes de fogo sem igual em sua geração. No momento em que seu último filme, Life de Anton Corbijn, uma charmosa história sobre a amizade entre o fotógrafo Dennis Stock e James Dean, estréia, Robert Pattinson aceitou falar com a gente para fazer valer a sua carreira e falar sobre o seu futuro. Ele é o retrato de um ator ainda em transformação, confiante em suas escolhas, mas, no entanto, corroído por dúvidas, um elétron livre que quer cair em todos os lugares do cinema que ainda pulsa, a partir da França com Claire Denis "ao lado dos vibrantes irmãos Safdie" em New York City. Um homem do futuro.

Como você se envolveu no projeto Life?
Lendo o roteiro, eu senti que este filme não seria uma cinebiografia comum, uma história de vida simples onde iríamos mostrar o início de James Dean e a história de Dennis Stock. Havia algo mais singular, mais intimista no ângulo filme. E o fato de que Anton Corbijn era uma parte do projeto apenas me convenceu. Eu o conheci em Los Angeles há alguns anos e instantaneamente fomos adiante. Eu realmente acho que ele é um dos mais talentosos diretores do nosso tempo.

O que é interessante para você no cinema dele?
Seu estilo. Há algo com ele que é realmente pictórico e gracioso vindo de seu trabalho em fotografia. Ir de um domínio para outro não é fácil; muitas vezes você vê os fotógrafos que falharam tentando dirigir o seu primeiro filme. Mas não Anton. Ele, no seu primeiro filme, apenas provou que ele era um grande diretor. Eu tinha visto Control no cinema e na época me bateu em cheio. Fiquei realmente impressionado, na medida em que eu poderia ter me tornado um fã do Joy Division.

Em Life, você interpreta o fotógrafo Dennis Stock. O que você sabe sobre ele e sua carreira?
Não muito, mas eu imediatamente tive uma boa sensação sobre esse personagem, algo tocou em mim assim que eu li o roteiro pela primeira vez. Eu conheci seu filho, e então eu pesquisei sobre a sua carreira, tive acesso aos arquivos íntimos, bem como fotografias não publicadas. O que eu estava descobrindo me deixou apaixonado. Dennis Stock não era um cara simpático na realidade. Ele era secreto, opaco, sempre fechado, ele se recusou a mostrar seus sentimentos ou qualquer coisa, realmente e ele poderia ser muito abrasivo. (Ele pensa sobre isso alguns momentos). É bastante excitante para um ator interpretar esse tipo de personagem ambíguo, não instantaneamente agradável ou mesmo legível.

Você interpreta Dennis Stock no início de sua carreira, quando ele ainda era um jovem artista, à procura de seu estilo e próprio caminho. É um estado que você poderia ter identificado a si mesmo?
É claro. Dennis tem zero de confiança em suas habilidades: ele sabe que pode tornar-se famoso por sua arte, que um artista está lá dentro dele. Mas ao mesmo tempo ele só denigre a si mesmo o tempo todo, ele está duvidando de si mesmo. O que ele precisa é uma aprovação para seu trabalho, ele tenta obtê-lo de James Dean. Assim que eles se encontram, Dennis é obcecado pelo ator, não como um fã, mas porque ele precisa de sua aprovação. Ele quer alguém para dizer-lhe que ele pode ser um fotógrafo, que ele tem o direito de expressar sua arte. Eu posso entender este sentimento. Às vezes eu preciso ouvir que eu não estou cometendo erros, que eu sou legítimo. Os mais ínfimo comentários sobre o meu trabalho ainda me surpreende e me faz me reservar.

Você não acha que o seu papel em Cosmópolis foi a aprovação que você está falando?
Era um ponto de virada na minha carreira, evidentemente. Mesmo assim, antes de eu falar sobre isso, ele me faz tremer. Eu fiz coisas muito agradáveis desde então, mas eu nunca encontrei de volta as sensações que tive com Cosmópolis. Era o cenário mais louco, o mais poderoso que eu tinha em minhas mãos. Não era apenas uma tarefa simples, você sabe, mas um renascimento maluco: uma nova visão sobre mim mesmo. O filme me libertou de alguns complexos que eu tinha, e fez a minha mudança de imagem. Outros diretores de prestígio me chamaram, as pessoas que eu nunca imaginei trabalhar.

Aposto que você está se referindo, por exemplo, a Werner Herzog, que lhe ofereceu um papel em seu último filme a Rainha do Deserto. Que lembranças você mantém desta filmagem?
Em primeiro lugar, eu me lembro da audição estranha, realmente bizarra, uma longa conversa com Werner Herzog sobre tudo, menos do próprio papel: suas histórias de aventura, seus contratempos com cobras e iguanas... Eu fiquei apenas oito dias no set, mas afirmou minhas impressões de que ele é um cara apaixonado e completamente marginal, fora da moldura. O que eu gosto Werner Herzog ou David Cronenberg, é que eles têm uma natureza de guerreiros: eles continuam com seus novos filmes como se fosse o maior e o mais forte da história do cinema. (Ele ri). Eles não só querem liderar projetos emocionantes ou controversos. Com eles, nada é banalizado. O ato de fazer um filme é cheio aventura. Isto dá de volta a fé para o filme, trabalhando com essas pessoas.

E depois há James Gray, o diretor que você está indo trabalhar em The Lost City Of Z.
É um filme de época, que vai contar a vida de um explorador que foi procurar uma cidade perdida na Amazônia. Este filme lida com uma obsessão que conduz à loucura. James é realmente bom com isso. Two lovers, que eu considero como um dos mais belos filmes de sempre, já era uma obsessão dando errado. Eu não posso esperar para agir em seu nome, para ver onde ele pode me levar.

Você tem sido 'cortejado' por vários autores de prestígio desde Cosmópolis, mas algo há preso com o grande público: a sua imagem ainda é marcada por seu começo no cinema. Recentemente David Cronenberg confidenciou na imprensa que você ainda estava subestimado por causa da anulação e estupidez de Crepúsculo. O que você acha disso?
(Um pouco entediado com o tema) Estas são as palavras de David Cronenberg não posso julgar. Talvez o tempo é necessário para algumas pessoas esquecer a era Twilight. Esperando que, eu tenho que me preservar, sem fazer perguntas, e apenas continuar escolhendo meus filmes com coerência, e apenas confiar nos meus gostos.

Precisamente, o que suas escolhas dizem sobre você? Você acha que eles projetam o quadro de sua obra-prima?
Eu estou apenas começando a perceber isso. Há mais de dez anos que eu trabalho no negócio e eu acho que as coisas se tornam mais claras. Eu sei que agora minha sensibilidade me deixou mais convencido, diretores afirmados, que inovam, que apontaram pontos de vista. Mas eu sou muito jovem para falar sobre obra-prima. Eu ainda não encontrei o meu lugar na indústria.

Rumores sobre você querer ser um diretor têm sido ouvido.
Realmente? Dizem o que? Sim, é um projeto que eu tinha em mente há um tempo. Estes últimos anos, tenho encontrado papéis e tenho trabalhado com diretores que me deram novas inspirações, um novo fôlego. A ideia de dirigir meu próprio filme só cresceu. Tornar-se um diretor é o último passo para completar a minha independência, você é seu próprio chefe, você está tomando seu destino em suas próprias mãos, você pode finalmente expressar o que quiser, sem obstáculos. Estou longe disso, mas estou trabalhando nisso. Neste ponto, eu gasto todo o meu tempo livre escrevendo.

O que você está escrevendo?
Eu sempre preferi escrever as coisas longe do meu universo, dos papéis que eu interpretei.

Que gênero?
Filmes de grande ficção científica! Scripts realmente populares, com muitos efeitos especiais, estrangeiros em todas as cenas, enorme orçamento. Eu também estou trabalhando em um jogo agora, mas por um motivo desconhecido, e eu não sou um grande fã como um espectador, os grandes filmes com pipoca convidam-me.

Então você poderia voltar a este sistema de grandes franquias de Hollywood? Refazer algum blockbuster como Twilight?
Pfff eu quase fiz isso no ano passado. Fui convidado para fazer parte de um grande projeto no qual eu estava muito bem avançado, mas eu tenho o último minuto. Eu estava com medo, eu acho que não é mais pra mim. Hoje em dia, eu prefiro muito mais a filmar 3 ou 4 filmes por ano, ou até mesmo pequenas partes para os diretores que me inspiraram, do que ser preso por um blockbuster de merda com filmagens durante meses.

Alguns de seus projetos foram cancelados nos últimos anos, incluindo o mais espetacular, Idol's Eye, que deveria ter sido dirigido por Olivier Assayas. O que aconteceu com este filme?
Uma história de merda. A filmagem foi cancelada devido a um problema de financiamento, o que nos deixou esperando até o último minuto. Eu fui de lá para cá duas vezes, de Los Angeles para Toronto, onde deveria ter sido filmado e toda vez me diziam que foi suspenso. Foi cansativo, mas eu estava hiper animado com o projeto: Eu pesquisei, passei um tempo em Chicago (o filme é baseado em uma história na década de 70 em um conflito dentro da máfia de Chicago) para ser capaz de achar os gangsters reais que fizeram o roubo inspirando o cenário. Tudo isso para nada...

Como você conheceu Olivier Assayas?
Eu realmente não sei, por um amigo que é um produtor... Eu amo o seu cinema, incluindo Carlos. É o mais conveniente neste filme abandonado: Eu senti que Idol's Eye poderia ser um filme importante, um compromisso especial na minha carreira. O roteiro era fantástico: cerca de 190 páginas, que iam além dos filmes de gangsters, com diálogos não habituais, e uma incrível densidade romântica. Mas, quem sabe, talvez o filme vá acontecer algum dia.

Existem outros diretores franceses que você gostaria de trabalhar?
Agora, a partir de janeiro, eu devo começar a filmar um novo filme com uma diretora francesa, Claire Denis. Eu a conheci há um tempo atrás em Los Angeles, e ela me disse sobre esse projeto de filme sci-fi, ela está trabalhando com o artista plástico Olafur Eliasson, que trabalha em sublimes instalações de luzes. Eu não posso acreditar que eu consegui o papel.

Você está familiarizado com as obras de Claire Denis?
Eu sou um fã absoluto. Eu sou obcecado com seu trabalho tem alguns anos, mesmo se eu tivesse um tempo, seria difícil explicar precisamente por que. Eu acho que é uma questão de percepção, algo que vai além das palavras. Thee é algo hipnótico em seu cinema. Eu vi White material no cinema em algum momento e eu saí do teatro em um transe, completamente desorientado. Ela é um génio.

Vamos voltar para o cinema americano. Que visão você tem em sua evolução? Você tem a sensação que uma nova geração de autores está emergindo?
Eu tenho certeza disso. Nos EUA, como em todos os lugares do mundo, os filmes com orçamento médio tornaram-se impossível para o financiamento. É uma grande reviravolta na indústria, que agora é dividido entre filmes grandes e micro orçamentos. Podemos lamentar, mas eu vejo principalmente um reavivamento. O fato de que temos filmes 'pobres' e Indie criou uma nova onda de autores norte-americanos que se libertaram de grandes estúdios. Voltando-se para os micro orçamentos, eles são completamente autônomos: eles podem fazer o que quiserem, experimentar coisas novas e libertar-se dos produtores, agentes, circuito de financiamento que abrandam consideravelmente a sua criação..

Tal como os irmãos Safdie, com quem você filmará em breve, Good Time (história sobre um assalto que deu errado, co-escrito por uma figura grande no cinema New York Indy, Ronald Bronstein)
Sim, normalmente, eles fizeram a sua carreira no cinema de baixo custo, totalmente independente, onde eles são livres para usar a sua imaginação e suas fantasias. Esse é outro projeto que eu estou mais animado: o cenário é completamente louco, misterioso e interpretar entre realidade e ficção.

Os filmes americanos Indie organizam-se como pequenos clãs: há a família "mumblecore", aquele com novos diretores de Nova Iorque e o de Wes Anderson e Noah Baumbach... Você sinte que pertencem a um clã?
(ele pondera) Não, eu tentei, mas eu não consegui. Eu nunca consegui. Talvez porque eu vivo entre duas cidades, Londres e Los Angeles, ou que eu não fico muito tempo no mesmo lugar. Ou talvez, tão simples como isso não é da minha natureza. Eu acho que sou mais do tipo solitário.

Scans