Pattinson Daily: Whaatt's New: The Childhood of a Leader é uma declaração de amor do cinema para o cinema
O "Pattinson Daily", é a sua maior fonte de notícias sobre o ator Robert Pattinson no Brasil.
Textual description of firstImageUrl

Whaatt's New: The Childhood of a Leader é uma declaração de amor do cinema para o cinema

14 de novembro de 2015


Cada vez menos estrela e mais ator, Robert Pattinson tem sido implicado em um novo e arriscado projeto: "The Childhood Of a Leader "estreia por trás das câmeras do ator Brady Corbet. Um rosto não tão famoso, mas muito reconhecível para os cinéfilos, que levantou seu monumento especial para os filmes que ele gosta. O melhor da competição visto no Festival de Cinema Europeu em Sevilha até agora, com exceção de 'O futebol'.

Depois da "Saga Crepúsculo", Robert Pattinson está determinado a provar que ele é mais do que um simples vampiro triste, e se conectou a filmes menos destinados ao público geral, e mais particularmente a Cinefilia. Há duas colaborações com David Cronenberg, o denso, mas emocionante 'Cosmópolis' (2012) e sátira ácida de Hollywood, 'Mapas para as estrelas' (2014) - o empoeirado, apocalíptico ocidental 'The Rover' (2014) de David Michôd, o iminente 'Life', de Anton Corbijn, que estreia em 20 de novembro, o projeto sci-fi anunciado com a aclamada Claire Denis, ou este 'The Childhood Of A Leader', que provou ser o melhor na competição do festival de Sevilha até agora, o que não é muito, já que apenas terminou o primeiro fim de semana. Nós apenas começamos.

[..] A voracidade de Brady Corbet, que queria ver tudo e estar em toda parte, como uma experiência de aprendizagem para sua estreia como diretor, vampiriza o desejo de maturidade de Pattinson, aqui em The Childhood Of a Leader tem um papel aparentemente tangencial, mas também chave e duplo.

A história, que tem ecos de 'Europa', de Von Trier, e 'A Fita Branca', de Haneke, se desenvolve no final da Primeira Guerra Mundial, quando um assessor (Liam Cunningham) do secretário de estado americano vai para a França para participar das negociações que levaram ao fatídico Tratado de Versalhes, semente do nazismo e da Segunda Guerra Mundial. O diplomata deixa sua esposa (Berenice Bejo) cuidando da casa, onde a criança (Tom Sweet) impõe a sua lei, dominando tanto o governanta afável (Yolande Moreau) e sua muito sensual, professora de francês (Stacy Martin). Bradley Corbet cruza a trama histórica e da família sob o telhado do casal, em algum lugar perto de Paris. No final, o que o filme quer dizer, baseado em uma história de Sartre (incluindo textos listados nos créditos finais) pode parecer um tanto óbvio e psicologista, uma reflexão sobre as consequências da educação de má qualidade, o passado de um tirano. Mas não importa.

Importa mais esteticamente, como se a história fosse em primeiro lugar o pretexto ou o suporte para desenvolver a sua própria paleta estilística de tudo que foi aprendido. Na maior parte do dos planos do filme há uma busca formal heterodoxa, embora não transgressora, que foge do academicismo como se fosse a peste. A multiplicação de recursos pode sugerir que Corbet está muito desesperado para afirmar o seu próprio estilo, que  quer que você goste e demonstre, como se ele tivesse se auto presenteado com um álbum para colar todos os cartões de cinema que ele gosta, e Robert Pattinson é um deles.

O filme, que pode então ser visto perfeitamente como um catálogo, próprio e de referências, acaba sendo uma experiência cinéfila de primeira ordem. Os resultados ocorrem ao som de uma enlouquecida orquestra dirigida pelo mesmíssimo Scott Walker, e, além de cuidar de cada cena como se fosse seu filho (único), Corbet, que não há reservado nenhum papel na frente da câmera, também se revela como um bom diretor de atores: Yolande Moreau e Berenice Bejo estão contidas! Amém, muito diferente, a criança protagonista, uma espécie de Tadzio em miniatura (ou de Louis Garrel em 'Les baisers de secours'), e Stacy Martin, cujo mamilo Brady Corbet nos brinda um plano tão requintado quanto inesquecível.

"The Chidhood Of a Leader" é uma declaração de amor do cinema para o cinema, filme completo em 35 milímetros, que exala entusiasmo e reverência, paixão, incentivo e busca constante. Em uma palavra: Cinefilia. O melhor do que vimos até agora na Seleção Oficial, além dos já mencionados 'Two Friends" por Louis Garrel, que é muito menos impressionante, ou o extraordinário, O futebol de 'Sergio Oksman, um filme muito diferente sobre o qual falaremos mais adiante.