Pattinson Daily: Entrevista do Robert para o The New York Times
O "Pattinson Daily", é a sua maior fonte de notícias sobre o ator Robert Pattinson no Brasil.
Textual description of firstImageUrl

Entrevista do Robert para o The New York Times

2 de junho de 2017

Clique para ver imagem em tamanho real
Na quarta-feira, eu tomei um café expresso com Robert Pattinson em uma cobertura com vista para o Mediterrâneo.

Esse é o tipo de frase absurda que um crítico, por vezes, encontra-se escrevendo no Festival de Cinema de Cannes, onde o novo filme do Sr. Pattinson, Good Time, está em competição. Na manhã seguinte, o filme abalou fortemente um apático evento que foi recheado com quase acidentes e lançamentos que tendem a pregar ou punir os espectadores, muitas vezes ambos. "Good Time", pelo contrário, é um prazer cinematográfico puro, muitas vezes engraçado, às vezes uma corrida chocante dentro do abismo, que levou o Sr. Pattinson a ter muito amor aqui, senão prêmios críticos.

Pattinson interpreta Constantine Nikas, a.k.a. Connie, um malvado inepto que, durante uma terrível aventura em New York, deixa ruína e corpos caídos em seu rastro. Dirigido pelos irmãos Josh e Benny Safdie, Good Time é excitante, energético e concentrado Não vende uma mensagem ou redenção, mas em vez disso, prende em um esquecimento narcisista que empurra a história em uma espiral cada vez mais descendente, cada vez mais profunda. Com erros se transformando em catástrofes, Connie cresce cada vez mais feroz, tornando-se um personagem que é uma tentativa bilicamente engraçada para o triunfalismo americano que permeia filmes de super-heróis e independentes e insiste que o sucesso não é apenas inevitável, mas também um direito de nascença.

Good Time é parte de uma fascinante correção de curso realizada pelo Sr. Pattinson, que nos últimos anos tem aparecido e desaparecido no cinema de arte com títulos como "The Childhood of a Leader" e "The Lost City of Z". Embora ele tenha alçado a fama em um blockbuster, interpretando um personagem condenado da franquia Harry Potter, ele se tornou um nome global no papel de Edward Cullen, o galã vampiro pálido da série Crepúsculo. Essa fama tornou-se frenética quando o Pattinson e sua co-estrela Kristen Stewart começaram um relacionamento amoroso que rapidamente se transformou em alimento para o moedor de publicidade e foi quase inevitavelmente envolvido na marca e na saga Crepúsculo.

Durante os anos de Crepúsculo, Pattinson nem sempre foi bem tratado pelos críticos, que não viam necessariamente além de sua beleza ou como um dos objetos cinematográficos de desejo dessa série. Ao contrário de Stewart, ele não tinha um corpo de trabalho anterior que indicava que ele poderia fazer mais que brincar com tanta pretensão, mesmo que sua participação em pequenos filmes como Remember Me (2010) tenha sido promissor. Foi, no entanto, Cosmopolis (2012), fantasia distópica de David Cronenberg, baseado no romance de Don DeLillo, que efetivamente estabeleceu o caminho da carreira do Sr. Pattinson. "Eu acho que foi a primeira vez que trabalhei em algo que era bastante complexo", disse ele.

Cosmópolis foi, ele acrescenta: "Essencialmente, o primeiro filme que eu fiz depois que eu terminei o último capítulo da série Crepúsculo. Eu particularmente adoro o fato de que ele saiu realmente no auge da minha popularidade", ele disse. Escalado como um mestre do universo que sofre uma espetacular e cada vez mais violenta, queda humilhante, o Sr. Pattinson vê o filme como "o grande ponto de virada para mim - eu só percebi que era o que eu queria fazer."

Cronenberg fez um filme sem um molde, e sua estrela ficou ansiosa para seguir o exemplo. "Eu acho que é tão raro que algo quebre um padrão", Sr. Pattinson continuou. "Eu acho que quase tudo no mundo é projetado para ser previsível."

O estrelato no cinema depende do carisma e da qualidade alquímica chamada presença, bem como uma certa quantidade de previsibilidade e padrões, gêneros e tipos. Mas a longevidade significa ocasionalmente quebrar padrões. Pattinson está claramente decidido a evitar a evidência, e pode ser por isso que, de forma instrutiva, ele gravitou em papéis que exigem que seus personagens sofram abusos físicos punitivos - eles foram espancados, estrangulados, levaram tiros e passaram por um exame de proctologista - como se ele estivesse tentando eliminar o último traço de Edward. Isto às vezes parece ir além das pretensiosas transformações egoístas que as estrelas gostam de assumir, em uma transfiguração mais profunda.

É comum que as estrelas obscureçam a aparência, aparecer com um nariz falso e peruca espantosa, é claro; é menos comum que os atores adotem o irrepreensível e arrisquem o amor do público.. "Qualquer um pode parecer feio", disse Pattinson. "Não é preciso muito."

Em Good Time, a feiura em que ele toca vai além dos cabelos oleosos de Connie e torrentes de suor que caem pesadamente, e parece escorrer de seus próprios poros. Pattinson, que transmite um calor e uma abertura em pessoa, admite que poderia ser um problema quando o público confunde ator e personagem. Mas isso não aconteceu com ele, é por isso que ele é, ele disse, "muito blasé sobre isso." Apesar de qualquer coisa, ele parecia feliz em todas as partes revoltantes. Ele está crescendo.

Olhando para o futuro, ele adoraria trabalhar com o diretor alemão Maren Ade, cujo filme Toni Erdmann foi apresentado em Cannes no ano passado. Durante o festival deste ano, foi anunciado que Pattinson iria estrelar The Souvenir, um filme ambicioso da diretora britânica Joanna Hogg que Martin Scorsese será o produtor executivo. Pattinson também espera que neste verão ele possa começar a filmar um projeto (High Life) que ele e a diretora francesa Claire Denis estão trabalhando há três anos. ("Isso, para mim, é a maior coisa que tenho. Eu literalmente ainda não posso acreditar nisso.")

"Se você fez cinco filmes em uma série, você teve que aceitar alguma responsabilidade por ter o mesmo personagem". Ele não parecia arrependido, apenas prático. Trabalhar nos filmes Crepúsculo, ele disse: "foi um luxo incrível e foi uma sorte incrível, também, ter caído nisso com o grupo de pessoas com quem trabalhei. Eram crianças juntas, crianças que se rebelaram ou tentaram, e se sentiram encorajadas a atuar.." Robert disse que chegou perto de ser despedido no primeiro filme, até que seus agentes entraram  para resolver. "Eu não tenho que beijar o traseiro de ninguém o tempo todo", disse ele. "Eu acho que não, de qualquer maneira."

Sr. Pattinson parece inteiramente em paz com Crepúsculo e claramente encontrou uma maneira de aproveitar seu legado, que inclui se aprofundar mais e fazer os tipos de filmes de arte que são amados em Cannes. Ele sempre diz que pensa que ele é terrível em cada tomada. "Não posso dizer isso sobre ninguém com quem eu trabalho", acrescenta. "Eu nunca vi ninguém se dar um momento difícil. Eu estou batendo até mim depois. E eu acho que há alguma energia pervertida estranha que surge quando as pessoas criticam o trabalho anterior ou pensam que você representa essa coisa certa; isso lhe dá essa energia".

Talvez isso pareça falso, mas eu acreditei nele. Ele estava enrolado, no entanto, e logo acrescentou que ele estava "quase com medo de que qualquer pessoa dissesse que qualquer coisa que eu faço é bom." Ele então riu, talvez um toque autoconsciente.

Veja as fotos do Robert tiradas para essa entrevista.

Fonte | Via: Pattinson Daily
*Tradução pela staff Nadine