Pattinson Daily: Entrevista do Robert para Entertainment Weekly
O "Pattinson Daily", é a sua maior fonte de notícias sobre o ator Robert Pattinson no Brasil.
Textual description of firstImageUrl

Entrevista do Robert para Entertainment Weekly

15 de agosto de 2017

Clique para ver imagem em tamanho real
Há cerca de 15 paparazzi fora do hotel da cidade de Nova York, onde - estrategicamente posicionado atrás de uma parede no lobby, vestido com um casaco de capuz marrom, dois tamanhos maiores - fica Robert Pattinson.

Esta foi a vida do ator britânico, de 31 anos, nos quase 10 anos desde que ele foi lançado como o vampiro Edward Cullen em Twilight. No entanto, uma vez que essa franquia terminou à cinco anos, a carreira de Pattinson virou para o imprevisível, mesmo que sua fama tenha continuado. Depois de papéis de apoio em filmes como Maps to the Stars de David Cronenberg e The Lost City of Z de James Gray, Pattinson está de volta em seu primeiro papel principal desde Cosmópolis de 2012.

Em Good Time, dirigido por Josh e Benny Safdie, Pattinson é um criminoso chamado Connie Nikas, que, à medida que o filme começa, planeja um assalto de banco que desencadeia a proposta do enredo.

O filme aclamado pela crítica, ocorre ao longo de 24 horas, em que o personagem de Pattinson mal dorme. É um sentimento em que o ator pode recordar um pouco nesta manhã de quinta-feira, quando nos encontramos para conversar sobre sua carreira, o novo filme e os impulsos travessos dentro dele para dizer coisas erradas.

Como você está se sentindo esta manhã?
Desculpe, estou com meu cérebro quase totalmente morto. Estou acabado. Isso vai ser interessante.

Você gostaria de um pouco de café?

Já tentei isso [risos]. Não está funcionando.

Onde você esteve esta manhã? Em um talk show?
Sim, no Good Morning America. Estou cansado, mas não cansado de fazer entrevista. Eu basicamente não fiz nenhuma Press Conference por cerca de três anos e eu realmente quero falar muito sobre esse filme. Mas foi interessante promover um filme como esse em diferentes lugares.

Você sente que quando você faz esses programas, sua reputação o antecede um pouco?

Há uma expectativa para uma certa energia. É difícil porque sinto que estou vestindo muitos chapéus diferentes ao mesmo tempo. Eu estou editando muitas coisas na minha cabeça enquanto as entrevistas continuam. Eu acho que é por isso que estou tão ansioso. E então eu acabo dizendo algumas coisas idiotas. É sempre perigoso se estou tentando fazer um grupo de pessoas rir. É quando eu digo as coisas mais tolas.

Já faz quase 10 anos (julho de 2008), quando participou da sua primeira Comic-Con para Crepúsculo. Você disse então que o grito da multidão era como "o som que você ouve nas portas do inferno".
[Risos] Eu lembro disso na verdade.

O que você acha quando pensa em você naquela época?
É bastante estranho, porque eu lembro de dizer isso e foi literalmente a coisa exatamente errada a se dizer. É louco. Mas é engraçado que, mesmo que eu esteja promovendo coisas agora, estou pressionado por esse desejo perverso de dizer o oposto do que eu deveria dizer. É como um goblin dançando na minha cabeça e isso continua acontecendo comigo na entrevista depois da entrevista depois da entrevista. Acabei de ter uma semana de dar respostas ruins e malucas sobre as coisas. E eu apenas continuo pensando: "Jogue legal, não diga nada de louco".

Mesmo depois de todos esses anos dando tantas entrevistas?
Sim. Eu acho que só quero romper esta bolha de fantasia. Eu estava no programa do Stephen Colbert ontem e eu poderia sentir até o final da entrevista que havia esse pequeno demônio, dizendo-me: "Você é chato, chato, chato! Diga algo louco, diga algo louco!"

Parece um tanto surreal que o atual presidente dos Estados Unidos escreveu uma vez um monte de tweets sobre você?
[Risos] Eu acho que há tantos níveis diferentes disso. Sua identidade existe em diversas formas ao mesmo tempo e todas podem ser bem diferentes umas das outras. Quando ele disse isso, realmente não significou nada. Mas acho que agora estou pensando, tipo:"Bem, acho que isso está relacionado comigo". Mas como isso se ajusta a todas as outras coisas na minha vida? E, às vezes, você pensa: "Posso usar isso na minha atuação? Ou devo deixar pra lá." É meio interessante, eu acho. Eu não sei - pode ser por isso que as pessoas ficam irritadas comigo.

Você sente que, em um certo ponto, você precisará voltar a entrar na briga das franquias? As pessoas falam sobre a filosofia de atuação "one for me, one for them".
Eu espero que, se eu criar um conteúdo que eu quero ver e pensar em mim como um membro da audiência, então tudo funcionará. Porque então, alguém como eu, vai ao cinema. Há muitos outros grandes filmes, todos estão tentando fazer isso. E eu acho que há uma pequena renovação do que costumava ser um filme de orçamento médio, que agora seria considerado um micro orçamento, eu acho. Eu adoro ir ao cinema para ver coisas interessantes e loucas. Eu não quero apenas assistir isso na TV.

E há lucro financeiro nesses projetos, certo?
Claro, porque as pessoas vão vê-los. E se isso é encorajado e promovido, então isso é incrível. Você pode literalmente vê-lo voltando a viver, o que é tão maravilhoso. Só vai morrer se deixarmos morrer. Estávamos no Alamo Drafthouse no Brooklyn ontem à noite, fazendo um Q&A. Estou realmente amando o que está acontecendo com um grupo de diferentes cinemas. Eu acho que os atores devem se unir e fazer um "United Artists" e ter seus próprios cinemas. Apenas resolva. Eu acho que há um espectro tão amplo do que as pessoas irão se algo fosse promovido direito e disponibilizado. É como se você fosse a um cinema onde você não sabia o que estava passando. Você sabia que o controle de qualidade estava bom. Eu adoraria estar envolvido nesse tipo de coisa.

Você se vê produzindo ou dirigindo filmes no futuro?
Hmm, as pessoas não percebem o quão específico é uma direção. Todos pensam: "Eu gosto de filmes, eu poderia dirigi-los." Mas você precisa ser gerente de tempo especializado e um gerente de especialistas em geral. Produzir é um pouco mais interessante porque você escolhe todas as pessoas certas e espera que elas se juntem. Gostaria de descobrir como ajudar com a distribuição de filmes. Essa é a parte que é quase completamente tirada das mãos das pessoas que fizeram o filme. E o controle é tão importante.

Você sente que tem controle sobre sua carreira?
Bem, eu sinto que já tive três momentos de reinvenção. De Harry Potter para Crepúsculo e, então, para esta fase atual, onde estou agora. Controle, sim. Mas o que eu realmente espero é que eu tenha o mesmo entusiasmo hoje por querer me surpreender e surpreender os outros como fiz depois do primeiro dia no meu primeiro emprego.

-~-

Tommy Lee Jones tem uma conexão interessante com esse personagem que você interpreta em Good Time, não é?
Sim, absolutamente.

Como assim?
Josh Safdie me enviou o livro de Norman Mailer, The Executioner's Song, e então assisti o filme [feito para TV em 1982] com Tommy Lee Jones como o assassino Gary Gilmore. É um personagem tão fascinante. Há algo sobre seu ceticismo e a maneira como ele processa as coisas. Não há um sentimento convencional de culpa dentro dele. Depois que ele cometeu um crime, ele ainda pensa que é culpa de outra pessoa. Nunca auto-reflexivo - isso deu muita energia para o personagem que eu estava interpretando.

Porque Connie em Good Time não tem uma certa autoconsciência?
Sim. É tão interessante interpretar alguém que faz tudo pragmático para si mesmo. Connie acha que tudo é desculpável porque está no serviço do que ele quer. Mas não é assim que a moral funciona. Ele precisou disso explicado. E achei isso fascinante.

E como a aparência de Tommy Lee Jones afetou a aparência deste filme?
Essa era uma espécie de coisa posterior. Em preparação para o papel, estávamos tentando todas essas coisas diferentes com o meu rosto. Estávamos tentando me fazer parecer mais com Benny [Safdie], que interpreta meu irmão. Então peguei um nariz falso, tentei outras próteses. Mas fiquei louco.

Louco de um modo errado?
Sim, louco, mas não sutil. Então, o que fizemos, e foi muito simples, acabamos por colocar um pouco de cicatrizes e marcas de verruga na minha pele.

Há algo irresistível para você, dado o quão reconhecível você é, sobre estar em um filme onde o público pode não saber que é você no início?
Eu adoraria isso. Eu continuo querendo acabar com os preconceitos do público. Estou tentando encontrar um mundo que também seja tão diferente de uma grande parte da audiência. E então você os aprisionou. Considerando que, se o mundo é algo que todo o público entende, então é mais provável que diga: "Ok, eu o reconheço e agora vou julgar como seu desempenho se compara a outras pessoas". Eu adoraria que as pessoas assistissem Good Time e pensasse que eu sou um ator estreante e que eles nunca viram antes.

Como você chegou ao sotaque do personagem?
Eu tinha o luxo de estar isolado enquanto trabalhava nisso. Eu estava morando em um apartamento em um porão no Queens. E eu só estava repetindo e repetindo coisas até que vagamente soava direito. Eu trabalhei com dialogo treinado antes, mas para esse papel era apenas repetição. E fiquei no sotaque enquanto estávamos filmando. É um sotaque divertido, devo dizer. Eu senti falta disso quando desapareceu.

Assista o trailer legendado de Good Time


Fonte | Tradução: Pattinson Daily