Pattinson Daily: Podcast + Transcrição: Scott Feinberg conversou com Robert para o "Awards Chatter"
O "Pattinson Daily", é a sua maior fonte de notícias sobre o ator Robert Pattinson no Brasil.
Textual description of firstImageUrl

Podcast + Transcrição: Scott Feinberg conversou com Robert para o "Awards Chatter"

7 de agosto de 2017

Robert Pattinson conversou com Scott Feinberg sobre sua carreira e mais. O podcast está disponível no iTunes (aqui), mas você pode ir na fonte para acessar o podcast no site do THR.

Clique para ver imagem em tamanho real

Confira abaixo o resumo do podcast.:

O ator de 31 anos, mais conhecido como a estrela masculina da franquia Crepúsculo, reflete sobre celebridades súbitas, os fãs fanáticos de Crepúsculo e seus fortes sentimentos sobre seu antigo relacionamento com Kristen Stewart e o plano de reinvenção da sua carreira em 10 anos que está funcionando de acordo com o cronograma.

"Assim que eu assinei para fazer várias sequências, eu fiquei tipo: "vai levar 10 anos para superar isso.", diz o ator Robert Pattinson enquanto nos sentamos nos escritórios da The Hollywood Reporter para gravar um podcast para o "Awards Chatter". "Eu disse isso ao meu agente. E demorou 10 anos". Na verdade, quase uma década depois de interpretar o vampiro Edward Cullen pela primeira vez, e ao fazê-lo, disparou para o estrelato internacional, mas mesmo se não for aclamado, o britânico de 31 anos está atraindo o melhores comentários de sua carreira. Ironicamente, eles estão vindo para o seu trabalho em Good Time, um filme independente, no qual ele enterra sua boa aparência por trás de um cavanhaque, cabelos gordurosos e um sotaque grosso do Queens, a fim de trazer à vida um pequeno criminoso que acabou com grandes problemas em Nova York. "Eu realmente, realmente fui atrás disso", ele diz com um sorriso.

Pattinson, que nasceu em Londres, se apaixonou pela música muito antes de atuar. Uma incursão na modelagem, começando por volta dos 12 anos, o expôs pela primeira vez às audições, e ele começou a mergulhar na dramaturgia, mas foi desencorajado por seu próprio professor de teatro. No entanto, a pedido de seu pai, ele se juntou a uma companhia local de teatro amador e, depois de ter conseguido seu primeiro papel, foi 'encontrado' por um agente que logo o pegou como cliente. Ele rapidamente começou a fazer audições para empregos profissionais - o primeiro filme para o qual ele fez audição foi Troy de 2004 (ele não conseguiu), o primeiro que ele conseguiu foi Vanity Fair (as cenas foram eventualmente cortadas) e o primeiro papel que o colocou no mapa foi em Harry Potter e o Cálice de fogo de 2005 (do qual ele obteve a representação americana). Na época Hollywood expressou apenas um ligeiro interesse por ele, então ele voltou para a Inglaterra, ainda debatendo se desejava ou não seguir a atuação. "Toda vez que eu estava prestes a dizer, 'vou terminar com isso'", ele lembra, "eu conseguia outro [papel]", incluindo um filme de TV em que ele interpreta um piloto da Segunda Guerra Mundial sofrendo de PTSD e um filme indie em que ele interpretou um jovem Salvador Dali.

Ao longo desse período, Pattinson ocasionalmente enviava fitas de audição para Los Angeles para papéis que o levasse para América. Uma comédia romântica, deu à ele, a oportunidade de uma audição em pessoa, então ele voou para a América e ficou [dormiu] no sofá do seu agente americano enquanto ele se preparava para entrar. Essa audição não aconteceu, mas, na cidade, entrou para outra [audição], com a diretora de Thirteen, Catherine Hardwicke, ele entendeu que era um filme independente baseado em um livro de baixo perfil sobre um vampiro. Hardwicke já havia visto cerca de 5.000 jovens atores antes de Pattinson ter chegado em sua casa para fazer uma audição junto com a jovem atriz Kristen Stewart. "Eu fui a última pessoa que viram", lembra ele, observando que ele teve um ataque de pânico - e levou um Valium - quando estava indo à audição. Pouco depois, apesar de algumas reservas por parte dos produtores do filme ("Todos pensaram que eu parecia muito velho, e eu também era muito gordinho na época."), ele ganhou o papel ("Eu meio que soube que eu iria pegá-lo") e foi trabalhar. Durante a filmagem sua interpretação do personagem nem sempre se ajustou aos produtores, seus agentes tiveram que voar para salvar seu trabalho ("Eu era muito argumentativo"), o filme foi lançado - e mudou sua vida para sempre.

"Twi-hards", como os fãs mais obsessivos da franquia Twilight vieram a ser conhecidos, logo caíram sobre Pattinson e se tornaram particularmente apaixonados - com prazer ou tristeza - quando se tornou evidente que ele e Stewart estavam envolvidos um com o outro na vida real. "As verdadeiras vozes - eu acho que é um grupo muito, muito pequeno - são mulheres bastante educadas com idades entre 28 e 60 anos", diz ele."Isso significa que são muitas mulheres. Mas mais velhas. Elas não são "velhas", obviamente, mas não são adolescentes. E isso é o que as pessoas realmente nunca perceberam. A onda inicial delas era jovem, mas os [pilares] são significativamente mais velhas". Ele diz, quando perguntado se namorar Stewart satisfez seus seguidores: "As pessoas simplesmente imaginariam de qualquer maneira - como, mesmo quando não estávamos juntos, as pessoas diziam que nós estávamos. Não faz diferença. Ainda assim! Definitivamente muda o envolvimento dos paparazzis em sua vida, como 100%. É apenas uma coisa econômica: há apenas duas pessoas em uma foto, em vez de uma. E a coisa mais confiável para quem lê uma revista de fofocas é: 'Qual é o estado de um relacionamento?'"

A era de Twilight para Pattinson foi surreal. Ele tinha sido lançado para a A-list de Hollywood, que veio com fama e fortuna, mas também com uma perda de privacidade e certos preconceitos sobre o que ele queria - ou era capaz de fazer - como ator. Entre os filmes de Twilight, ele atuou em outros, incluindo Remember Me de 2010, Water for Elephants de 2011 e Bel Ami de 2012, na esperança de mostrar sua ampla gama, mas também de mantê-lo constantemente no trabalho. "Eu estava tão ocupado com algo até os 25 que eu nunca tive tempo para realmente processar qualquer coisa - você está apenas no olho da tempestade", diz ele. "Quando a série acabou e acabei diminuindo [o ritmo] um pouco, eu era como: 'Oh, a vida que você estava já morreu e você está neste outro mundo'... Eu estava meio que enlouquecendo." Mesmo assim, ele nunca duvidou da sabedoria de concordar em fazer parte da franquia. "Eu nunca me senti realmente preso por isso", diz ele. "Eu sempre soube que foi o movimento certo". Ele acrescenta: "Eu não teria feito nenhuma dessas outras coisas, se não fosse por isso".

Essa "outra coisa" começou com uma oferta direta e inesperada do diretor David Cronenberg para estrelar no filme, Cosmopolis de 2012, que ele descreveu como uma experiência que mudou sua vida. Isso o lembrou do motivo dele querer ser um ator e também solidificou seu desejo principal para os próximos anos: trabalhar com grandes cineastas. "Eu estava ciente de ter um déficit de credibilidade", ele reconhece. "E então você pensa: 'Bem, se [Werner] Herzog e Anton Corbijn e todas essas pessoas estão me contratando, bem, você vai ter que cagar seus heróis se quiser me cagar.'"

Ao longo dos anos, Pattinson cumpriu seu objetivo. Em 2014, ele retomou com Cronenberg, em Maps to the Stars, e também estrelou The Rover de David Michod, ambos com Premiere no Festival de Cinema de Cannes. Em 2015, ele apareceu em Queen of the desert de Herzog e em Life de Corbijn. Ele apareceu em The Lost City de James Gray, em 2016. E então, ele voltou a Cannes no passado mês de maio como o "psicopata romântico" no filme dos diretores Josh e Benny Safdie, Good Time, que foi saudado com uma ovação de pé de magníficos seis minutos (tem uma classificação positiva de 94 por cento no RottenTomateos). Pattinson chegou muito perto de ser premiado com o prêmio de Melhor Ator pelos jurados do festival. Com a data de lançamento do filme, 11 de agosto, se aproximando rapidamente, Pattinson diz que está gostando de ser parte de um filme tão bom e bem recebido, e não está muito preocupado com o que acontece no próximo fim de semana. "Eu nem me importo se eles ganhem dinheiro", ele diz sobre seus filmes pós-Twilight, com um brilho no olho. "Claro, enquanto eu conseguir outro".

Fonte | Tradução: Pattinson Daily